quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

O 112 da alma


                                  

Quando se chega a uma idade  "respeitável" o conceito de amizade já está bem definido em cada um de nós e é difícil modificá-lo ou adaptá-lo.  À medida que envelhecemos tendemos a privilegiar aqueles que juntos connosco passaram pedaços de vida, que são lembrados com  uma sintonia que nos faz bem ao coração, ou outros que, embora surgindo recentemente,  tenham algo com que nos sentimos identificados.  Para haver amizade é necessário haver "lastro",  laços que unam, confiança, liberdade de sermos o que somos e deixarmos o outro ser que é, mas a base tem que ser sólida  e construída em alicerces fortes. Não se é amigo de alguém sem mais nem menos, toda uma cadeia de pontos em comum tem que ser construída. Ser amigo requer afinidades. A amizade tem que ser testada com o tempo, que nos permite saber se ela conseguirá enfrentar com solidez as tempestades e as desilusões caso contrário, trata-se somente de um conhecimento, talvez por isso, os verdadeiros amigos sejam poucos e os conhecidos muitos. Aceitar o outro nem sempre é fácil, mas exigir-lhe que nos aceite tal como somos é também difícil e um pouco egoísta. Amizade não cobra imposto, não impõe vontade, serve para amparar, para estar presente quando é necessário. A verdadeira amizade é o 112 da alma !